TV Globo exibe o especial ‘Chitãozinho & Xororó – 50 anos de história’ no dia 1º de junho

quarta-feira, 1 de junho de 2022

 


Programa produzido pela equipe do ‘Conversa com Bial’ promete muita emoção ao celebrar a trajetória de uma das duplas precursoras da música sertaneja brasileira, além de performances inéditas

Se hoje os versos “chega de mentiras, de negar o meu desejo, eu te quero mais do que tudo, eu preciso dos seus beijos” são cantados a plenos pulmões por fãs de diferentes gerações Brasil afora, isso é apenas uma amostra da importância de uma dupla de cantores que revolucionou a música sertaneja brasileira ao longo de 50 anos de existência. E que, para além do fenômeno “Evidências”, de 1989, produziu inúmeros clássicos do gênero, que geram identificação em uma legião de brasileiros. Para celebrar a trajetória de José Lima Sobrinho e Durval de Lima, os ídolos Chitãozinho & Xororó, e sua contribuição para a construção da cultura popular e da identidade nacional, a TV Globo exibe o especial ‘Chitãozinho & Xororó – 50 anos de história’, que vai ao ar no dia 1º de junho, após ‘Pantanal’.

Produzido pela equipe do ‘Conversa com Bial’ – time especialista em conteúdos imersivos -, com direção artística de Monica Almeida e direção geral de Gian Carlo Bellotti, o programa contará com diferentes e emocionantes momentos que conjugam entrevistas conduzidas por Pedro Bial com resgates inéditos, suportados por um rico material de arquivo, e musicais. “Tem algumas vertentes que seguimos, como uma parte de memória afetiva muito forte. Mergulhamos a fundo na pesquisa deles com fotos, histórias de família, de tudo o que se pode imaginar. Também traremos um musical acústico, mais intimista, ao redor de uma fogueira, em um papo delicioso com Bial, e um outro momento com uma apresentação grande e de muito significado: montamos um show num circo, que foi o espaço onde a carreira deles começou”, explica Gian.

“É um pouco musical, um pouco entrevista, um pouco documentário, mas, ao mesmo tempo, não é nenhuma dessas coisas convencionalmente. Utilizamos recursos desses gêneros para fazer um programa que é uma viagem no tempo, de 50 anos. Encontramos um jeito para tornar a música tão informativa e significativa para a história quanto o texto e as falas. Tudo é diversão e informação ao mesmo tempo”, define Pedro Bial. “Me emocionei muito, porque acho que todo brasileiro vai se identificar. Na verdade, é uma trajetória que funciona como espelho para o Brasil e para cada um de nós, como aventura coletiva, que é a construção de uma nação, e individual, com os nossos sentimentos”, acrescenta.

Chitãozinho & Xororó iniciaram a carreira no final da década de 60 e, no começo de 70, lançaram o primeiro álbum, “Galopeira”. A dupla, natural do Paraná, veio para São Paulo na esperança de construir solidez profissional com um estilo musical que se limitava, na época, ao campo. Com raízes na música caipira, representam a modernização do estilo ao incluírem, pela primeira vez, instrumentos como guitarra elétrica e banjo – o que configura uma transformação cultural ordenada à intensificação da industrialização agrícola, ou seja, à modernização da atividade rural. Deste modo, além de protagonizar “uma nova música sertaneja”, a dupla figura a história de milhares de brasileiros do campo e que viveram o êxodo rural.

Trata-se de um resgate profundo e sensível que promete identificação. “Acho que, assim como eu, todo brasileiro vai se emocionar ao ouvir as histórias e as músicas. É aquilo: ao ouvir um sucesso, impossível não pensar ‘onde eu estava e o que estava fazendo da vida?’”, destaca Pedro Bial.

“MEMÓRIAS”

Com gravações realizadas em maio no interior da cidade de Campinas, em São Paulo, o especial levou os cantores até uma casa caipira ambientada com elementos da trajetória deles, tanto pessoal quanto profissional. “Decoramos os cômodos com material da história deles. Tem muita foto de família, todos os discos, alguns ainda em fita cacete, os ingressos dos primeiros shows, enfim, bastante coisa. Fizemos uma vasta pesquisa, e foi emocionante ver como isso foi uma surpresa para eles. Ao entrarem na casa, foram descobrindo essas memórias nas paredes e nos objetos. Vi que deu certo quando o Chitãozinho ouviu ‘Galopeira’ no vinil, que foi a primeira música deles a fazer sucesso, e disse ‘acabei de lembrar do meu pai em casa ouvindo o disco pela primeira vez’”, coloca Gian.

O passeio pelas memórias da dupla é orientado por Pedro Bial, que aponta detalhes, como registros de família e de shows e pede para que eles relembrem as vivências por traz de cada material, o que proporciona momentos muito simbólicos, como a emoção ao verem uma foto antiga da mãe.

O espaço é ainda cenário da entrevista, em que compartilham lembranças de família, do início da carreira e têm uma conversa sobre a composição da música sertaneja – com interferências paraguaias, argentinas e mexicanas -, em especial as influências que permeiam suas criações. “Antigamente, as duplas cantavam corrido, era uma coisa mais mexicana. As músicas que tinham essa pegada cabiam muito bem no country. Mas, em vez de cantarmos corrido, pesamos mais no country. Fizemos isso num disco bem antigo, me lembro até que os músicos demoraram para entender o que a gente queria. A música ‘Ela chora chora’, do álbum ‘Fotografia’, foi a primeira do estilo country aqui no Brasil. Aí, alguns anos depois, entrou na moda. Comecei a usar chapéu e gravamos outros”, conta Chitãozinho.

Outros assuntos são a ascensão da música sertaneja a partir da dupla, já que foram os responsáveis por introduzir o estilo em veículos de massa; a origem do nome Chitãozinho & Xororó – antes eram Irmãos Lima -; as dificuldades do início de carreira, tocando em circos, entre outros temas.


AO REDOR DA FOGUEIRA

No momento mais intimista do especial, Chitãozinho, Xororó e Pedro Bial se sentam próximos de uma fogueira com a natureza ao redor. A conversa, agora, é musical, e aborda especificamente artistas que são parte da história da dupla. Apresentam, em voz e violão, acompanhados apenas de um acordeão, algumas músicas marcantes para a carreira, como “Correnteza”, de Tom Jobim e, pela primeira vez, “Metamorfose Ambulante”, de Raul Seixas. Ao cantarem “Luar do Sertão” debaixo da lua cheia que iluminou as gravações, os três são tomados por uma forte emoção.

“A ideia  do especial é uma conversa solta. Deixar os assuntos aparecerem, vir a emoção. Uma captação bem documental mesmo. Neste momento, a gente sente como se estivesse sentado com a dupla, participando da conversa e ouvindo de forma muito próxima a potência musical deles. A gente quis acessar a memória afetiva das pessoas. A fogueira é intima e o circo é lúdico”, diz Monica Almeida. “A parte da fogueira é mais acústica, as músicas são mais despidas. Nos emocionamos o tempo todo, acho que os fãs vão entrar nessa história com a gente”, acrescenta Xororó.


O CIRCO

O circo é um espaço que marcou o início da carreira dos artistas e, para completar a narrativa histórica, o especial promoveu um musical com a dupla retornando aos palcos onde tudo começou, e apresentando alguns dos grandes sucessos destes 50 anos, como “Galopeira”, “Sinônimos”, “Evidências”, “Brincar de Ser Feliz” e “Fio de Cabelo”.

“O circo era sobrevivência. O circo precisava de uma atração musical porque não tinha casting suficiente, e a gente precisava de espaço para cantar. Foi difícil, tocamos em circos entre os anos de 74 e 77, e foi o momento em que quase desistimos. A gente não ganhava dinheiro, era apenas o suficiente para pagar as contas”, relembra Chitãozinho.

“O circo é um momento nostálgico, mas é também de celebração. Levá-los onde tudo começou, sendo os artistas que são hoje, é como olhar para trás e comemorar com eles todas as conquistas. Tenho certeza de que o público cantará junto todas as músicas e participará desta festa conosco”, declara Monica Almeida.



O ‘Especial 50 anos Chitãozinho & Xororó’ tem direção artística de Monica Almeida, direção geral de Gian Carlo Bellotti e apresentação de Pedro Bial, e vai ao ar na TV Globo no dia 1º de junho, após ‘Pantanal’.


Cesário Ramos e Carol Gibbon lançaram o single e clipe “Nosso Cantinho”, nesta terça-feira (31/5)

 


Cesário Ramos é cantor, compositor, violeiro e acordeonista estabelecido em Nova Friburgo, região serrana do Rio de Janeiro. Carol Gibbon é uma jovem cantora carioca, que cresceu ouvindo Cesário animar as festas de sua família na região. Dois mundos distintos ligados pela música e a paixão pelo campo. Juntos, gravaram a música “Nosso Cantinho”, composição de Cesário com produção musical de Duani, que foi lançada digitalmente dia 31 de Maio (terça-feira) com um show especial para convidados no Hotel Fairmont, no Rio e Janeiro, acompanhada pelo clipe dirigido pelo premiado Max Gleiser e produzido pela Natasha Artes.


“A inspiração para essa música surgiu num sonho: Uma pessoa andando pela roça, com a viola na mão, apaixonado por alguém. Acordei e comecei a escrever essa história: um rapaz que mora num lugarzinho simples, onde a água vem da fonte e as flores florescem na sua hora, sem a pressa e a vida corrida da cidade grande. O rapaz apaixonado por uma pessoa que está longe, a convida para vir morar com ele nesse lugar tão especial”, conta Cesário.


O vídeo de “Nosso Cantinho” mostra Cesário Ramos e Carol Gibbon interpretando a música em diferentes locações da fazenda e durante a apresentação ao vivo que fizeram em uma festa familiar. O resultado é um clipe simples e refinado, como a essência dos artistas, que cativam pelo olhar, educação e talento ao cantar. 


“Gravar ao lado da Carol Gibbon é um prazer imenso, porque eu a vi crescer, vi a música florescendo dentro dela, pude acompanhar cada passo musical nas festas em família que eu tocava. Então quando eu fiz a canção, não podia oferecer a outra pessoa, pois sua voz é muito meiga, suave, tem tudo a ver. Fiquei ainda mais apaixonado pela música quando Carol colocou sua voz e sua essência na gravação, mostrando a cantora incrível que ela está se transformando”, diz Cesário. 


“Quando o Cesário me convidou pra participar da gravação de uma de suas composições eu fiquei absurdamente animada. Eu o conheço desde que me entendo por gente. Foi uma das minhas grandes inspirações pra entrar no meio musical. Sempre admirei muito sua voz, que preenchem as minhas memórias de finais de tarde lá na fazenda. A alegria dele consegue animar até o mais triste dos corações”, conta Carol.

“Nosso cantinho” é uma música contagiante que eu amei desde a primeira vez que ele a mostrou; é muito gostosa de ouvir e, principalmente, de cantar. É uma honra ter a oportunidade de lançar essa música ao lado de uma pessoa tão incrível”, elogia ela.

Carismático e com repertório que passa pelo sertanejo universitário, diferentes levadas de forró, modas de viola e sucessos da MPB em releituras bem pessoais, o artista retoma os shows pós-pandemia com agenda cheia. Cesário Ramos tem  conquistando o público por onde passa com sua animação e interpretação ímpares, tornando seus shows momentos de grande alegria e diversão para público de diferentes gostos musicais.


E foi no show da gravação do clipe de “Nosso Cantinho” que Cesário conheceu o ídolo Michel Teló, com quem dividiu o palco em três canções - sem ensaio - e arrancando elogios do grande artista. Confira o encontro no Instagram de Cesário: https://www.instagram.com/cesarioramosoficial/ 

Com 15 anos de carreira, Cesário Ramos tem três singles lançados - “Coroné Antônio Bento” (2019), com Os Bartira, “Maria Bonita” (2020) e “Nos Bares da Vida” (2020) – e já se apresentou em palcos seletos, como no Copacabana Palace (RJ) e nos programas de tv The Voice Brasil e  Terra da Padroeira. Professor formado pela Escola Superior de Música da Universidade Candido Mendes, Cesário Ramos é natural de Sumidouro, próximo da cidade que reside atualmente, Nova Friburgo, RJ.

A carioca Carol Gibbon tem 16 anos e lançou ano passado seu primeiro single, “Perto do Mar”, composição própria com arranjos do produtor musical Nilo Romero e clipe dirigido por Harley Alves. Assista aqui: https://youtu.be/JU5H7d1xvpY. Multi-instrumentista, Carol estuda música desde a infância, participou de espetáculos musicais durante a infância e prepara o lançamento de novas canções e a estreia de seu oficial para 2022.


MAIS SOBRE OS ARTISTAS:


CESÁRIO RAMOS


Site Oficial: www.cesarioramos.com.br

YouTube: https://www.youtube.com/CesarioRamosOficial 

Instagram: @cesarioramosoficial (https://www.instagram.com/cesarioramosoficial)

Spotify: https://open.spotify.com/artist/0SKKl7NVPXR3o9EerpAdlw?si=cwemQu4bROKvpLxn7PJZaw 


CAROL GIBBON


Instagram: @carolgibbon_ (https://www.instagram.com/carolgibbon_/) 

TikTok: @carolgibbon_ (https://www.tiktok.com/@carolgibbon_?lang=pt-BR) 

YouTube: https://www.youtube.com/CarolGibbonOficial

Plataformas de streaming: https://found.ee/CarolGibbon_PertoDoMar 



Conrado & Aleksandro Motorista de ônibus pode responder por homicídio culposo

quarta-feira, 11 de maio de 2022


Delegado que investiga o caso afirma que foi instaurado inquérito policial de homicídio culposo na direção de veículo automotor.

O delegado que investiga a causa do acidente de trânsito que matou o cantor sertanejo Aleksandro, da dupla com Conrado, e mais cinco pessoas, afirmou em entrevista ao g1 que, caso seja comprovado que o motorista do ônibus dirigia em alta velocidade, ele pode responder por homicídio culposo.
Um vídeo supostamente gravado momentos antes do ônibus que transportava os músicos e parte da equipe tombar mostra o veículo em alta velocidade. De acordo com a narração do autor do registro, o ônibus estava a 140 km/h
Segundo a autoridade, foi instaurado inquérito policial de homicídio culposo na direção de veículo automotor contra o motorista do ônibus.
De acordo com ele, esse procedimento é realizado em casos com vítimas fatais. “Se for comprovado que ele agiu com imprudência, imperícia, negligência ou alguma dessas situações, ele vai ser condenado por homicídio culposo”, afirmou.
Testemunhas não relatam excesso de velocidade
As pessoas envolvidas e que sobreviveram ao acidente foram ouvidas pela Polícia Civil e não comentaram sobre a velocidade do veículo. Sendo assim, até o momento, as investigações apontam apenas para um pneu estourado, que pode ter sido a causa do acidente.
“Até onde a gente conseguiu ouvir as vítimas que sobreviveram, essa foi a causa mesmo [pneu estourado]. Nenhuma delas relatou excesso de velocidade.
A pericia ainda não foi concluída”, contou o delegado.
Ceroni não descarta a possibilidade de o ônibus estar em alta velocidade. “É um dos pontos. Tudo está sendo investigado. Nesse momento, temos que aguardar os laudos periciais de análise dos equipamentos do veículo”.
O delegado Carlos Eduardo Vieira Ceroni relatou à reportagem do g1 que o vídeo em questão está sendo analisado e que a polícia procura o autor da gravação.
“Não tem a confirmação se o vídeo é do dia do acidente ou de outro dia. O autor do vídeo ainda não foi localizado para ser feita a oitiva com ele”, disse.Até o momento, não há previsão de quando o laudo oficial com a causa do acidente será divulgado, pois, segundo o delegado, depende da perícia.
Para contribuir nas investigações, ainda falta ouvir as vítimas que estão internadas. “Foram ouvidos quase todos que estava no ônibus, só não ouvimos quem está hospitalizado.
Caso recebam alta hospitalar, vai ser enviada uma carta precatória para elas serem ouvidas na delegacia que abrange o domicílio delas”, explicou.
O que diz a Polícia Rodoviária Federal
Em nota, obtida pelo g1, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) aponta que o vídeo foi feito na Rodovia Regis Bittencourt, por volta do km 454 – a ocorrência foi registrada no km 402.
A velocidade máxima para veículos de grande porte no local da gravação é de 80 km/h.
A corporação, porém, não confirma que o conteúdo tenha sido registrado antes do acidente, embora os horários estejam de acordo com a ordem dos fatos - no painel, é possível ver que a situação foi gravada às 9h47, enquanto o ônibus tombou por volta das 10h30.
"Cumpre-nos esclarecer que o uso do celular na direção representa conduta proibida pelo CTB, cuja lesividade na causa de acidentes supera o próprio excesso de velocidade. Sendo assim, o condutor que gravou o vídeo causou mais risco ao trânsito do que o motorista que imprimiu velocidade excessiva, porém este último acidentou-se em virtude do estouro do pneu", complementa a PRF.
Infrações
No Brasil, falar ao celular na direção é infração de trânsito, e consta no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), na Lei nº 9.503/97, no artigo. 252. Como a citada infração é considerada gravíssima, são sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação e multa no valor de R$ 293,47.
Estado de saúde de Conrado
De acordo com o último boletim médico divulgado na tarde desta segunda-feira (9), o cantor João Vitor Moreira Sales, conhecido como Conrado, segue em estado grave e precisou passar por uma cirurgia para controlar sangramentos e corrigir fraturas na bacia.
Conrado está internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital Regional de Registro, no interior de São Paulo. O documento não aponta quando o citado procedimento cirúrgico foi realizado.

Conrado & Aleksandro - Nota oficial sobre a morte do cantor Aleksandro

domingo, 8 de maio de 2022


 


Conrado e Aleksandro - Aleksandro está entre as vítimas fatais do acidente com o ônibus da dupla.

sábado, 7 de maio de 2022

 


Foi confirmado á pouco o falecimento do cantor ALeksandro da dupla Conrado e Aleksandro.

O ônibus da dupla sertaneja Conrado e Aleksandro tombou na manhã sábado (7), na rodovia Régis Bittencourt

no trecho de Miracatu, no Vale do Ribeira.





Zé Neto & Cristiano - Cancelada a gravação do novo DVD da dupla

sexta-feira, 14 de janeiro de 2022

Em virtude da nova recomendação do Governo de São Paulo que reduz o público dos eventos em 30%, a dupla Zé Neto & Cristiano decidiu cancelar a gravação do novo DVD, que aconteceria na Brahma Valley, em Valinhos/SP, no próximo dia 21, uma vez que a carga de ingressos vendidos já havia ultrapassado os 70%.

Sendo assim, em 16 de abril, teremos uma nova data na casa, um super show com Zé Neto e Cristiano.

Os ingressos adquiridos para dia 21/01 serão válidos para dia 16/04. Em caso de dúvida ou solicitação de reembolso o atendimento será feito pelo e-mail sac@guicheweb.com.br.

Grupo Talagaço - Jonathan Pacheco Anuncia o seu desligamento do Grupo

sábado, 8 de janeiro de 2022

COMUNICADO: Chegou a hora de cantar pro Arthur em casa e assistir o #BailãoDoTalaGaço de camarote.
Nem todos os seus sonhos serão compatíveis. Para viver intensamente momentos incríveis, você terá que abrir mão de outros. Hoje, preciso viver o meu sonho de ser Pai. Pai do Arthur. Plantei em mim esse sonho quando ainda era criança, na mesma época em que a música me acolheu e eu me deixei levar pelo sonho surreal de ser músico. Não quer dizer que eu não vá mais viver esse sonho. Pelo contrário: esse sonho já se tornou realidade e eu nunca mais vou deixar de ser aquele “Menino Baileiro Sonhador”. Mas pra viver esse momento único de ser Pai, vou precisar deixar que os meus “Mimosos” sigam a sua missão. Estava quase acreditando que literalmente eu iria ficar pra titio nessa vida. Mas Deus sabe a hora certa de tudo. Agora vou descer do palco e assistir esse espetáculo que é o #BailãoDoTalaGaço de camarote, com o Arthur nos meus braços e dizendo pra ele: “Aqueles titios ali no palco, foram e serão uma das maiores realizações da vida do Papai. Junto com eles, o pai cantava pra toda essa gente que está te vendo e te enchendo de amor e carinho. Agora o pai desceu daquele palco pra cantar pra ti e por ti. Mas nunca se esqueça meu filho: o papai será pra sempre um TALAGAÇO.” Vou sentir muitas saudades do #BailãoDoTalaGaço, de tudo que a gente viveu na estrada, até mesmo do que vivemos na pandemia (E foi onde mais nos abraçamos e lutamos pelo TALAGAÇO), saudade de suar a camisa ao lado do Beto, do Borga, do Willian, do Miguel, do Ricardinho e do “Mimoso” Marlon Moraes (Fomos uma grande dupla encima e fora dos palcos), saudade do apoio e assistência da Equipe GT (Sorvete, Lubi, Laison, Carlinhos, Bilia e Diogo), saudade do Seu Humberto e das histórias que vivemos naquele apartamento que continua cheio de pêlos, saudade de surtar a Fran “Xica” na hora de fazer as artes, saudade do amparo e da vibração do Xeba a cada meta alcançada, por fim, sentirei saudades de estar no TALAGAÇO.

Minha gratidão eterna e maior, é p

Maiara & Maraísa - Avião com cantora Maiara faz pouso de emergência em Florianópolis

quarta-feira, 5 de janeiro de 2022

Os passageiros do voo LA3275, de Navegantes a Congonhas, da empresa Latam, passaram por um susto na noite dessa terça-feira (4/1). Uma ave se chocou com a turbina da aeronave, que precisou alterar a rota e pousar no Aeroporto Internacional Hercílio Luz, em Florianópolis (SC). Entre os passageiros, estava a cantora Maiara, dupla de Maraisa.

O motor da aeronave apresentou uma falha após o choque com o pássaro. A informação foi confirmada ao site Tudo Sobre Floripa pelo delegado Renan Sdcandolara, da Delegacia de Apoio ao Turista, que funciona no Floripa Airport.

Não houve feridos no incidente e os passageiros foram realocados em outro voo da companhia aérea


Gusttavo Lima - Após show em SC, cantor testa positivo para Covid-19

Cantor esteve em Florianópolis no dia 29 de dezembro e tem novo show marcado no Estado em janeiro.

O cantor Gusttavo Lima é mais uma vítima da Covid-19. O artista divulgou o diagnóstico nesta quarta-feira (5), em um dos seus canais na internet.

Segundo o comunicado, o cantor sertanejo testou positivo nesta quarta, não apresenta sintomas e está cumprindo o isolamento em casa.

Por causa da doença, ele não participa de uma partida de futebol solidária que ocorreria nesta semana e nem de três shows marcados para o mesmo período em Goiás e no Espírito Santo.

Gusttavo Lima se apresentou em Florianópolis no dia 29 de dezembro, no estádio Orlando Scarpelli. O show, aliás, é investigado pela Secretaria Municipal de Saúde por causa da aglomeração no local.

Imagens publicadas pelo cantor na internet mostram diversas pessoas aglomeradas e sem o uso de máscara durante a apresentação na capital catarinense.

Outro show do cantor previsto em solo catarinense está marcado para o próximo dia 15, desta vez em Balneário Camboriú.


Fonte: ND+


 

Postagens populares